SC Joias Finas

SC Joias Finas
Visite nossa fabrica. Grupo SC Brasil

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Inveja e Prazer

Um vício que dispensa quaisquer enfeites hedônicos e gera tanta dor que você pensaria ser uma virtude, embora não haja nenhum ganho final em massa muscular: a inveja. Escondendo-se em sexto lugar nas listas tradicionais dos sete pecados capitais, entre a ira e a vaidade, a inveja é o profundo e muitas vezes hostil ressentimento que se sente em relação a alguém que tem algo que você quer, como dinheiro, beleza, uma promoção ou a admiração de um colega. É um vício que poucos podem evitar, mas que ninguém anseia, pois experimentar a inveja é se sentir menor e inferior, um perdedor embrulhado em maldade.
Ao mesmo tempo, dizem os pesquisadores, quando os participantes receberam a oportunidade de imaginar a queda do sortudo, os circuitos de recompensa do cérebro foram ativados, novamente em proporção à força da ferroada da inveja: os participantes que sentiram a maior inveja reagiram à desgraça do outro com uma reação mais vigorosa nos centros de prazer de dopamina como, por exemplo, o estriado ventral. “Temos um ditado em japonês: ‘As desgraças dos outros têm gosto de mel’” diz Hidehiko Takahashi, o primeiro autor do estudo. “O estriado ventral está processando esse mel.”
Correlatos animais
A inveja pode ser vista em outros animais sociais com reputações pessoais a defender. Frans de Waal, do Yerkes National Primate Research Center em Atlanta, apontou que os macacos eram felizes em trabalhar por fatias de pepino, até que uma pessoa passou a dar recompensas melhores, como uvas, a um dos macacos. Então os outros pararam de trabalhar por pepino e começaram a criar um rancor. “A emoção primária é provavelmente a inveja ou o ressentimento”, diz de Waal. Quando as crianças percebem que têm irmãos, suas vidas se tornam dominadas pela inveja. Por que ela sempre se senta na janela? O pedaço de bolo dele é maior! Sem irmãos? Tudo bem: você pode invejar o gato.
Embora a inveja seja incansável e gregária, podendo abraçar facções populares, a honra gira e completa Estados-nações. “É um fato da vida que prestemos muita atenção ao status, a quem está indo bem e quem não está, e como parecemos em comparação a outros”, diz Colin W. Leach, professor associado de psicologia na Universidade de Connecticut, em Storrs, que estuda a inveja. Como regra, invejamos aqueles que são como nós em muitas maneiras ? sexo, idade, classe e currículo. Ceramistas invejam ceramistas, observou Aristóteles. Quando questionados por pesquisadores sobre sua inveja, participantes de estudos disseram: “Estou secretamente envergonhado de mim mesmo.”
Da forma como os cientistas evoluciotivos a veem, as características importantes da inveja, a persistência e universalidade, sua fixação com o status social e o fato de coexistir com a vergonha sugerem o desempenho de um profundo papel social. Elas propõem que nossos impulsos individuais podem ajudar a explicar por que os humanos são comparativamente menos hierárquicos que muitas espécies primatas, mais inclinados a um igualitarismo bruto e a se rebelar contra reis e magnatas que conseguem mais do que sua parte justa. A inveja também pode nos ajudar a manter a linha, nos tornando tão desesperados para parecermos bem que tomamos a estrada correta e começamos a agir bem. Lutamos com nossa inveja particular, nossos anseios por mais estima, e a luta só aguça o doloroso contraste entre a suposta perfeição do adversário, que santificamos num trono imaginário e a mercadoria defeituosa que somos nós mesmos.

“Se você deseja a glória, pode invejar Napoleão”, disse Bertrand Russell. “Mas Napoleão invejava César, César invejava Alexandre, e Alexandre, ouso dizer, invejava Hércules, que nunca existiu.” Se a inveja é um imposto cobrado pela civilização, todos precisam pagar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário